O Mudra da Tara Verde

21 de Abril de 2018 por Patricia_Willoughby

Tara Verde

Mudra. … (Sânscrito “selo”, “marca” ou “gesto”; Tibetano: chakgya) é um gesto simbólico ou ritual no Hinduísmo e no Budismo. A maioria dos mudras são realizados com as mãos e os dedos. Cada mudra comunica tanto à pessoa que o executa como ao observador, aspectos de um determinado estado de espírito.

Os mudras mais notáveis são; uma palma aberta apontada para baixo significa generosidade; mãos dobradas no colo significam meditação; uma palma levantada virada para fora significa o ato de ensinar ou tranquilizar; palmas juntas na posição anjeli significam saudação.

Neste blog eu estou focalizando minha própria imagem de mantra favorita, a da Tara Verde, uma Bodissatva no Budismo Mahayana que aparece como Buda feminino no Budismo Vajrayana. Existem duas formas de Tara, a Tara Verde e a Tara Branca. Contudo as Duas Taras são Uma

A maternidade é central para a concepção de Tara”. Seus títulos incluem “mãe amorosa”, “mãe suprema”, “mãe do mundo”, “mãe universal” e “mãe de todos os Budas”.

No simbolismo tibetano, o verde é considerado a cor que contém todas as outras cores, enquanto o branco é a pura não cor da qual todas as cores têm a sua origem. Tara significa Estrela. Um significado secundário é “Salvador” que significa “Ela que nos transporta através das águas”. As águas são as ondas do samsara.

Verde Tara é sempre retratada com uma palma aberta apontada para baixo significando generosidade e com um pé no chão significando que ela está sempre pronta para vir em nosso auxílio. O mantra principal Tārā é: oṃ tāre tuttāre ture svāhā. É pronunciado por tibetanos e budistas que seguem as tradições tibetanas como oṃ tāre tu tāre ture soha. A tradução literal é “Oṃ O Tārā, eu rezo O Tārā, O Swift One, So Be It!”

Deixe um comentário